Ciclo profissional: como identificar e lidar com os encerramentos

Quem nunca escutou a seguinte frase: “A vida é feita de ciclos”? Mas você sabia que o ciclo profissional, ou melhor, ciclos, também fazem parte deles? 

Um ciclo é uma série de fenômenos que ocorrem numa determinada ordem

Na vida, temos, por exemplo, os ciclos da infância, adolescência e vida madura. E na carreira também existem os ciclos. 

Porém, muitos profissionais têm dificuldade de entender que eles existem e, mais do que isso, de entender quando eles chegam ao fim. 

É muito claro quando o ciclo profissional do estágio se finaliza e se inicia um novo. Mas quando o profissional está em um cargo que gosta, que tem estabilidade, fica mais difícil de compreender. 

Algumas empresas possuem os ciclos bem estabelecidos em um tipo de hierarquia. Podemos citar como exemplo aquelas em que o profissional vai crescendo de cargo em etapas como júnior, pleno e sênior. 

Cada ciclo profissional se encerra e outro se inicia, de acordo com as novas capacidades e habilidades que são pré-determinadas dentro daquela determinada empresa. 

Mas, como saber se um ciclo profissional chegou ao fim, sem que isso seja pré-determinado pelos cargos e/ou empresas? 

Uma coisa é fato. Como já dissemos, a vida profissional também é feita de ciclos e ter isso em mente é essencial. 

Os degraus de uma carreira profissional precisam ser galgados e saber quando sair de um para o outro é, também, uma importante habilidade profissional. 

É mais do que comum vermos profissionais que não estão mais produzindo da melhor forma, não estão felizes no ambiente de trabalho e empresas não mais satisfeitas e ambos, literalmente, “empurrando com a barriga”. Isso costuma só se finalizar com a demissão ou aposentadoria. 

Mas não deveria ser assim. É possível se manter sempre no auge profissional, trazendo bons resultados pessoais e coletivos. Para isso, é preciso somente identificar quando um ciclo está chegando ao fim e agir de forma a finalizá-lo da melhor forma, para iniciar um novo também assim. 

Mas como identificar o fim de um ciclo profissional? 

Não existe uma lista de itens para darmos “check”. Identificar o final de um ciclo não é uma matemática simples e por isso, para muitos, é tão difícil. 

Mas a verdade é que apesar de serem mensagens sutis, elas são enviadas. 

Sabe quando some o “brilho nos olhos”? Quando parece que todo dia se faz a mesma coisa e não se tem mais nenhum entusiasmo? Sabe quando estudar sobre outro assunto totalmente diferente do que o que você faz no seu trabalho é muito mais interessante? Está reconhecendo os sinais?  

Esses são alguns deles. É importante entender que fins de ciclos não são a mesma coisa que insatisfação com determinada empresa.  

São duas coisas distintas. Você pode mudar de empresa, mas ainda estar no mesmo ciclo profissional, por exemplo, de gerente. 

As insatisfações advindas de situações externas são problemas profissionais que precisam ser resolvidos. O fechamento de ciclo profissional tem relação com as questões internas, intrínsecas e naturais. 

Os ciclos profissionais não precisam, assim como os da vida, possuírem inícios e fins determinados igualmente para todos, como o exemplo das fases da vida. Profissionais com a mesma carreira possuem ciclos muito distintos. 

É preciso que cada profissional, durante sua trajetória, faça suas análises e seus encerramentos de ciclos. Como já falamos, na maior parte das vezes os finais não surgem como uma grande bandeira vermelha e, por isso, o autoconhecimento e os objetivos de carreira podem ser bons aliados. 

Para muitos, encerrar um ciclo profissional traz um grande peso e é compreensível. Mas é essencial também entender que, como todos os outros, quando um ciclo se fecha, outro se abre.  

Lidar de maneira saudável com essa transição é a melhor maneira de lidar com esse momento. A vida é feita de ciclos….acostume-se a isso e, com certeza, absorverá sempre o melhor de cada um deles.