Vamos falar da atual infelicidade no trabalho

Um fenômeno chamado “infelicidade no trabalho” já vinha sendo observado desde o começo dos anos 2000, pelo menos, mas tem tido um grande boom pós pandemia. 

É bastante comum ouvir os profissionais dizendo que estão infelizes nos cargos que ocupam, com as funções que exercem, nas empresas em que trabalham. 

Infelicidade, para alguns, pode ser um adjetivo forte, porém a realidade tem mostrado que tem sido bem utilizado. 

E a Burnout pode ser usada como exemplo do que a infelicidade, não detectada a tempo, pode trazer. Não que aqueles que não se sentem infelizes também não sejam acometidos pela doença. 

para a OMS, trata-se de uma síndrome conceituada como resultado do estresse crônico no local de trabalho, que não foi gerenciado de forma adequada.” 

A infelicidade no trabalho pode, sim, ser um gatilho para a Burnout e para outros tipos de doenças relacionadas à saúde mental. 

E, por isso, não deve ser tratada de forma negligente. 

Mas é preciso entender que estar de fato infeliz no trabalho é mais do que simplesmente ter um dia ruim. É um conjunto de fatores e sintomas que fazem com que se perceba que, de fato, é preciso mudar aquela situação. 

E, para muitos, a percepção veio durante o período da pandemia. A correria do dia-a-dia “cegava” muitas pessoas sobre as reais condições de trabalho e dos malefícios que isso trazia. 

Quando se parou e mudou o ambiente de trabalho, a forma e tudo o que a pandemia trouxe, alguns conseguiram entender que grande parte do que sentiam não era normal e, sim, estavam acostumados. 

Acostumados a se sentirem indispostos, desanimados, cumprindo tabela. 

A pandemia trouxe para muitos desses infelizes no trabalho a real noção do que de fato vivenciavam. E trouxe também, para muitos, a visão dos benefícios que o seu trabalho e os resultados trazem para sua vida. 

Mas em se tratando daqueles que não estavam felizes, foi um grande gatilho. E devido a isso, por exemplo, temos visto, e já até falado, sobre as demissões em massa. 

É preciso ter bem claro que a infelicidade no trabalho não é algo normal. Os adultos passam a maior parte das suas vidas nos seus ambientes de trabalho e, por isso, não pode ser aceitável que ele não seja algo que traga boas coisas. 

O grande problema é que muitos possuem dificuldade de entender se aquele sentimento é de fato infelicidade ou questões passageiras. 

Os especialistas colocam que todo sentimento negativo com relação ao trabalho deve ser avaliado sempre pensando no tempo em que se passa trabalhando e nas possíveis consequências dele. Buscar ajuda profissional pode ser uma forma bastante eficiente de entender o que de fato está acontecendo e conseguir estruturar melhor as ideias sobre como modificar a situação. 

É essencial ter claro que é preciso modificar a situação, mas que nem sempre a mudança de trabalho é a solução. Em alguns casos, as mudanças a serem feitas precisam ser internas, pois algumas questões independem do local de trabalho.  

Alguns sinais podem ser identificados e fazer com que você, profissional, entenda se está infeliz e precisa tomar atitudes. 

Mudanças de humor durante o trabalho de forma constante e falta de vontade e ânimo de ir trabalhar todos os dias são alguns exemplos de sinais simples que podem ser dados e devem ser observados. Pedir ajuda aos colegas e líderes para entender se sua forma de atuação não condiz mais com o que era antes, também pode ser um bom caminho para identificar o problema. 

E, como já dito, pedir ajuda profissional não deve ser visto como fraqueza e sim como solução para uma possível questão importante que precisa res resolvida. 

O caminho nunca deve ser o de pedir demissão sem analisar bem a questão pois, muitas vezes, cria-se um problema muito maior, ao invés de solucioná-lo. 

Ninguém deve ser infeliz no trabalho e, por isso, avaliar a questão da melhor forma para tomar as melhores atitudes, visando a felicidade no trabalho, é, com certeza, o melhor caminho.